Africa

Cultura da África A cultura africana reflete a sua antiga história e é muito diversificada. A África é lar de inúmeras tribos. grupos étnicos e sociais. Todas estas tribos e grupos possuem culturas que são diferentes ,representam a diversidade cultural africana. O objeto de arte expressam muita sensibilidade *Nas pinturas,nas máscaras,a presença da figura humana,identifica a preocupação com os valores étnicos morais e religioso.

As máscaras têm um significado místico e importante na arte africana,sendo usada nos rituais e funerais ,elas são confeccionadas em barro,marfim,metais,mas o material mais utilizado é a adeira. Pois estabelece a purificação e a ligação com a entidade Swipe to page sagrada. são modelad de arte africana são ar 7 paredes dos palácios to view next*ge formas geométricas, importante manifest Umas das formas na decoração das as sagradas. Suas as a mais o as esculturas. A madeira é um dos materiais preteridos.

As máscaras são as formas mais conhecidas de plásticas africanas. Umas máscaras é um ser que protege quem carrega. A escultura em madeira é a fabricação de múltiplas figuras que servem de atributo às divindades, podendo ser cabeças de animais, figuras alusivas a contecimentos, fatos circunstanciais pessoais que o homem coloca frente às forças. Existem também objetos que demonstra poder, como insígnias, espadas e lanças com ricas esculturas em madeira recoberta por lâminas de ouro sempre mostrando um motivo alusivo à figura dos dignitários.

Os utensílios de uso cotidiano, portas e portais para suas cas casas, cadeiras e utensílios diversos sempre repetindo os mesmo desenhos estilísticos. Os tecidos são lisos ou estampados, os bordados são rebordados com linhas e com pedras de vidro. Confeccionam roupas longas e gorros. A inventividade o bordado com pedras de vidro está muito espalhada nas populações da República da Nigéria. Os suportes para abanos, crinas e rabos de animais, também decoram com pedras de vidro, canudilhos e cauris.

As civilizações africanas tem uma visão hol[stica e simbólica da vida. Cada individuo é parte de um todo e ligados,todos em função docosmos em eterna busca pela harmonia e de equilíbrio,e cada fiel deve participar seguindo o papel que lhe pertence em nível espiritual e terreno. As religiões tradicionais africanas também referidas como religiões indígenas africanas, englobam manifestações culturais, religiosas e spirituais no continente africano e há uma multiplicidade de religiões dentro desta categoria. O islamismo, que se manifesta sobretudo na África Branca, mas é também professado por numerosos povos negros; – O cristianismo, religião levada por missionários e professada em pontos esparsos do continente; – E o animismo, seguido em toda a África Negra. Se alguma vez existiu uma culinária africana, no sentido de típica de todo o continente – o que é pouco provável, devido às suas enormes dimensões, tanto geográficas como humanas – essa culinária perdeu-se ao longo da história.

Os africanos, omo os povos dos restantes continentes, receberam «frutos» de todo o mundo, que incorporaram na sua dieta, assim como as próprias técnicas culinárias. Como todo país, a África do Sul também apresenta uma culinária própria, tendo como base de seu cardápio as carne PAGFarl(F7 África do Sul também apresenta uma culinária própria, tendo como base de seu cardápio as carnes vermelhas, além das comidas exóticas. Num evento social de nome braai, pode- se comer carnes grelhadas, mas estas nunca são preparadas por mulheres.

Os homens juntam-se em volta dos braseiros e as mulheres ficam responsaveis por preparar as saladas as sobremesas. A culinária da África do Sul recebeu fortes influências das culturas indígenas, mais especificamente das tribos Khoisan, Xhosa e Sotho. O doce de nome koeksisters é tradicional no país, sendo de origem desses povos, muito servido como sobremesa; é de aparência simples, comumente servido em eventos informais, pode ser encontrado facilmente. A comida sul-africana também recebeu, na época colonial, influências das comidas britânicas, através dos escravos que trabalharam para famílias inglesas.

Os escravos, privados de sua liberdade, tiveram que adaptar suas receitas étnicas africanas aos ingredientes que ispunham, incluindo-os na forma de preparar os alimentos. O pars recebeu influências da culinária árabe, na época da idade média, esses costumes também foram levados através dos escravos, que levaram várias receitas com eles. Como comidas exóticas, comem grilos fritos, mas hoje em dia a culinária da África do Sul é reconhecida pela sua singularidade e sabor, copiada em muitos países do mundo.

Com as influências de várias culturas, a culinária sul-africana se tornou um verdadeiro caldeirão de ideias e sabores. Suas receitas variam entre carnes, pães, doces, tortas, linguiças, espetos e arroz colorido. Danças Africanas A dança originou-se na África como parte essência da vida nas aldeias. ela acentua a unidade entre seus membros, por isso é qu PAGF3rl(F7 como parte essência da vida nas aldeias. ela acentua a unidade entre seus membros, por isso é quase sempre uma atividade grupal.

Em sua maioria, todos os homens, mulheres e crianças participam da dança, batem palmas ou formam circulos em volta dos bailarinos. Em ocasiões importantes, danças de rituais podem ser realizadas por bailarinos profissionais. Todos os acontecimentos da vida africana são comemorados com dança, nascimento, mortem plantio ou olheita; ela é a parte mais importante das festas realizadas para agradecer aos deuses uma colheita farta. As danças africanas variam muito de região para região, mais a maioria delas tem certas características em comum. Entre as principais danças estão, tribais,Kuduro,entre outras.

Kizomba Ritmo quente, originário de Angola, não pára de conquistar cada vez mais praticantes. É uma das danças sempre tocadas nas discotecas, não só africanas. Quente, suave, apaixonante… Vários estilos, técnicas, influencias. Toda variedade e diversidade de Kizomba. Semba É uma dança de salão angolana urbana. Dançada a pares, com passadas distintas dos cavalheiros, seguidas pelas damas em passos totalmente largos onde o malabarismo dos cavalheiros conta muito a nível de improvisação. O Semba caracteriza-se como uma dança de passadas.

Não é ritual nem guerreira, mas sim dança de divertimento principalmente em festas, dançada ao som do Semba. Danças ribais Danças e rituais que despertam o ritmo e as expressões corporais, que existem dentro de nós, inspirando o corpo e a alma e onde a música e a se entrelaçam com dinamismo e alegria de viver. Dançadas individualmente. Dança de saltos atléticos, figurinos exóticos e rit legria de viver. Dançadas individualmente. Dança de saltos atléticos, figurinos exóticos e ritmos de êxtase. É uma expressão fortíssima de sentimentos artísticos, emocionais e religiosos.

Cultura Afro-brasileira Denomina-se cultura afro-brasileira o conjunto de manifestações culturais do Brasil que sofreram algum grau de influência da cultura africana desde os tempos do Brasil colônia até a atualidade. A cultura da África chegou ao Brasil, em sua maior parte, trazida pelos escravos negros na época do tráfico transatlântico de escravos. No Brasil a cultura africana sofreu também a influência das ulturas europeia (principalmente portuguesa) e indígena, de forma que características de origem africana na cultura brasileira encontram-se em geral mescladas a outras referências culturais.

Traços fortes da cultura africana podem ser encontrados hoje em variados aspectos da cultura brasileira, como a música popular, a religião, a culinária, o folclore e as festividades populares. Os estados do Maranhão, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul foram os mais influenciados pela cultura de origem africana, tanto pela quantidade de escravos recebidos durante a época do ráfico como pela migração interna dos escravos após o fim do ciclo da cana-de-açúcar na região Nordeste.

Ainda que tradicionalmente desvalorizados na época colonial e no século XIX, os aspectos da cultura brasileira de origem africana passaram por um processo de revalorização a partir do século XX que continua até os dias de hoje. Religiões afro-brasileiras Babaçuê – Pará * Batuque – Rio Grande do Sul ‘k Cabula – Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e * Cabula – Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catanna. * Candomblé – Em todos estados do Brasil

Culto aos Egungun – Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo * Culto de Ifá – Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo * Macumba – Rio de Janeiro * Omoloko – Rio de Janeiro, Minas Gerais, Sáo Paulo * Quimbanda – Rio de Janeiro, São Paulo * Tambor-de-Mina – Maranhão * Terecô – Maranhão Umbanda – Em todos estados do Brasil * Xambá – Alagoas, Pernambuco ‘k Xangô do Nordeste – Pernambuco * Confraria * Irmandade dos homens pretos * Sincretismo A feijoada brasileira, considerada o prato nacional do Brasil, é frequentemente citada como tendo sido criada nas senzalas e ter semdo de alimento para os escravos na época colonial.

A cozinha rasileira regional foi muito influenciada pela cozinha africana, mesclada com elementos culinários europeus e indígenas. A culinária baiana é a que mais demonstra a influência africana nos seus pratos típicos como acarajé, caruru, vatapá e moqueca. Estes pratos são preparados com o azeite-de-dendê, extrado de uma palmeira africana trazida ao Brasil em tempos coloniais. Na Bahia existem duas maneiras de se preparar estes pratos «afros».

Numa, mais simples, as comidas não levam muito tempero e são feita nos terreiros de candomblé para serem oferecldas aos orixás. Na outra maneira, empregada fora dos terreiros, s comidas são preparadas com muito tempero e são mais saborosas, sendo vendidas pelas baianas do acarajé e degustadas em restaurantes e residências. A música criada pelos afro- uma mistura de criada pelos afro-brasileiros é uma mistura de influências de toda a África subsaariana com elementos da música portuguesa e, em menor grau, ameríndia, que produziu uma grande variedade de estilos.

A música popular brasileira é fortemente influenciada pelos ritmos africanos. As expressões de música afro-brasileira mais conhecidas são osamba, maracatu, ijexá, coco, jongo, carimb ó, lambada, maxixe, maculelê. Como aconteceu em toda parte do continente americano onde houve escravos africanos, a música feita pelos afro-descendentes foi inicialmente desprezada e mantida na marginalidade, até que ganhou notoriedade no início do século XX e se tornou a mais popular nos dias atuais.

Escravidão A escravidão, também conhecida como escravismo ou escravatura, foi a forma de relação social de produção adotada, de uma forma geral, no Brasil desde o período colonial até o final do Império. A escravidão no Brasil é marcada principalmente pelo uso de escravos vindos do continente africano, mas é necessário essaltar que muitos indígenas foram vitimas desse processo.

Os escravos foram utilizados principalmente em atividades relacionadas à agricultura — com destaque para a atividade açucareira — e na mineração, sendo assim essencials para a manutenção da economia. Alguns deles desempenhavam também vários tipos de serviços domésticos elou urbanos. A escravidão só foi oficialmente abolida no Brasil com a assinatura da Lei Áurea, em 13 de maio de 1888. No entanto, o trabalho compulsório e o tráfico de pessoas permanecem existindo no Brasil atual, a chamada escravidão moderna, que difere substancialmente da anterior.