Le de lavoisier

Introdução: Antoine Laurent Lavoisier (1743-1794) era um químico francês que em 1785 descobru a Lei de Conservação das Massas, que recebeu o nome de Lei de Lavoisier em homenagem ao seu criador. Esse cientista foi considerado o pai da química moderna, e sua lei se baseiam no seguinte: Lavoisier fez inúmeras experiências nas quais pesava as substâncias participantes, antes e depois da reação.

Lavoisier verificou que a massa total do sistema permanecia inalterada quando a reação ocorria num sistema fechado, sendo assim, concluiu que a soma total das massas das espécies envolvidas a reação (reagentes substâncias produzid sistema fechado a m Foi o primeiro cientis matéria. Além disso, ar 6 to view next*ge s massas das ou seja, num nstante. da conservação da xigênio refutou a teoria flogística e participou na reforma da nomenclatura química.

Célebre por seus estudos sobre a conservação da matéria, mais tarde imortalizado pela frase popular: “Na Natureza nada se cria e nada se perde, tudo se transforma” Foi ele quem descobriu que a água é uma substância composta, formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio: o H20. Essa descoberta foi multo importante para a época, POIS, segundo a teoria de Tales de Mileto, que ainda era aceita, a água era um dos quatro elementos terrestres primordiais, a partir da qual outros materiais eram formados. Em 16 de dezembro de 1 771 Lavoisier casou com uma jovem ari Swipe to page aristocrata, de nome Marie-Anne Pierrette Paulze.

A sua mulher tornou-se num dos seus mais importantes colaboradores, não só devido ao seu conhecimento de línguas (em particular o inglês e o latim), mas também pela sua capacldade de ilustradora. Marie-Anne foi responsável pela tradução, para francês, de obras ientificas escritas em inglês e em latim, fazendo ilustrações de algumas das experiências mais significativas feitas por Lavoisier. Ele viveu na época em que começava a Revolução Francesa, quando o terceiro estado (camponeses, burgueses e comerciantes) ficaria com o poder da França.

Foi morto pela mesma, pois era muito mal visto pela população, que pensava que, por ser de uma família nobre, Lavoisier, também, participaria do corrupto sistema cheio de impostos sobre a sociedade. Foi guilhotinado após um julgamento sumário em 8 de Maio de 1794. Joseph-Louis de Lagrange, um importante matemático, contemporâneo de Lavoisier disse: “Não bastará um século para produzir uma cabeça gual à que se fez cair num segundo” Desenvolvimento: A Lei da Conservação das Massas foi publicada pela primeira vez 1760, em um ensaio de Mikhail Lomonosov.

No entanto, a obra não repercutiu na Europa Ocidental, cabendo aofrancês Antoine Lavoisier o papel de tornar mundialmente conhecido o que hoje se chama Lei de Lavoisier. Em qualquer sistema, físico ou químico, nunca se cria nem se elimina matéria, apenas é possível transformá-la de uma orma em outra. Portanto, não se pode criar algo do nada nem transformar algo em nada (Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma). Logo, tudo que existe prov nada (Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma).

Logo, tudo que existe provém de matéria preexistente, só que em outra forma, assim como tudo o que se consome apenas perde a forma original, passando a adotar uma outra. Tudo se realiza com a matéria que é proveniente do próprio planeta, apenas havendo a retirada de material do solo, do ar ou da água, o transporte e a utilização desse material para a laboração do insumo desejado, sua utilização para a população e, por fim, a disposição, na Terra, em outra forma, podendo muitas vezes ser reutilizado.

A lei da conservação da massa explica um dos grandes problemas com o qual nos defrontamos atualmente: a poluição ambiental, compreendendo água, solo e ar. O fato de não ser possível consumir a matéria até sua aniquilação implica a geração de resíduos em todas as atividades dos seres vivos, resíduos esses indesejáveis a quem os eliminou, mas que podem ser reincorporados ao meio, para posteriormente serem reutilizados.

Esse processo denomina-se reciclagem e ocorre na natureza por meio dos ciclos biogeoquímicos, nos quais interagem mecanismos biogeoquímicos que tornam os res(duos aproveitáveis em outra forma. Quando não existe um equilíbrio entre consumo e reciclagem, podem haver consequências desastrosas ao meio ambiente, tais como eutrofização dos lagos, contaminação dos solos por pesticidas e fertilizantes, etc.

Atualmente, é inevitável não concordar que o mundo vive em plena era do desequilíbrio, uma vez que os resíduos são gerados em ritmo muito maior que a capacidade de reciclagem do meio. A Revolução Industrial do século XIX introd PAGF3rl(F6 muito maior que a capacidade de reciclagem do meio. A Revolução Industrial do século XIX introduziu novos padrões de geração de resíduos, que surgem em quantidades excessivamente maiores que a capacidade de absorção da natureza e de maneira tal que ela não é capaz de absorver e reciclar (materiais sintéticos não-biodegradáveis).

Preocupado em utilizar métodos quantitativos, Lavoisier tinha a balança como um de seus principais instrumentos em atividades experimentais. Por volta de 1774, o químico francês realizava experiências sobre combustão e a calcinação de substâncias. Observou que, dessas reações, sempre resultavam óxidos cujo peso era maior que o das substâncias originalmente usadas.

Informado sobre as características do gás que ativava a queima de outras substâncias (que mais tarde foi denominado pelo próprio Lavoisier como oxigênio, que quer dizer gerador de ácidos), passou a fazer experiências com o mesmo e acabou por deduzir que a combustão e a calcinação nada mais eram que o resultado da combinação desse gás com as outras substâncias. E que a massa aumentada dos compostos resultantes correspondia ? massa da substância inicialmente empregada, mais a massa do gás a ela incorporado através da reação.

Os estudos experimentais realizados por Lavoisier que levaram- no a concluir que, numa reação química que se processe num sistema fechado, a massa permanece constante, ou seja, a soma das massas dos reagentes é igual à soma das massas dos produtos: m(reagentes) – m(produtos) Assim, por exemplo, quando 2 gramas de hidrogênio reagem com 1 6 gramas de oxigênio verifica-se a formação de 18 gramas PAGF quando 2 gramas de hidrogênio reagem com 16 gramas de xigênio verifica-se a formação de 18 gramas de água; do mesmo modo, quando 12 gramas de carbono reagem com 32 gramas de oxigênio ocorre a formação de 44 gramas de gás carbónico. Através de seus trabalhos, pôde enunciar uma lei que ficou conhecida como Lei da Conservação das Massas ou Lei de Lavoisier: “Numa reação química que ocorre num sistema fechado, a massa total antes da reação é igual à massa total após a reação”. ou “Numa reação química a massa se conserva porque não ocorre criação nem destruição de átomos. Os átomos são conservados, eles apenas se rearranjam. Os agregados atômicos dos reagentes são desfeitos e novos agregados atômicos são formados”. O que hoje pode parecer evidente, nem sempre o foi.

Queimando-se magnésio, cientistas anteriores a Lavoisier observavam um aumento de massa, enquanto que, queimando enxofre, notavam uma perda de massa. Coube a Lavoisier, percebendo que esses ensaios deveriam ser feitos em sistemas fechados (onde não há troca de matéria com o meio ambiente), esclarecer que as diferenças de massas eram devidas à absorção ou liberação de gases durante as reações. Exemplos: Para compreender a Lei de Lavoisier vamos começar analisar a escrição de duas experiências e tirar algumas conclusões. Primeira experiência. Colocam-se 65 g de zinco dentro de um vidro contendo 98 g de ácido sulfúrico e em seguida fecha-se o vidro. Na reação química que ocorre entre as duas substancias há formação de sulfato de zinco e desprendimento de hidrogênio.

A massa do sulfato de zinco mais a massa do hidrogênio desprendido desprendimento de hidrogênio. A massa do sulfato de zinco mais a massa do hidrogênio desprendido será de 164 g. Ou seja, a soma das massas resultantes da reação é igual à soma das massas das substancias regentes. Segunda experiência. Num dos ramos do tubo de vidro são colocados pedacinhos de mármore; no outro é colocada uma porção de acido sulfúrico. Em seguida o vidro é fechado e a massa do conjunto (mármore+acido+vidro) é medida numa balança. Depois de conhecer a massa total do conjunto, vira-se o vidro de modo que a mármore e o acido entrem em contato. Observa-se no recipiente uma efervescência com desprendimento de dióxido de carbono.

Pensando novamente o tubo de vidro, verificamos que a massa do conjunto antes e depois da reação continua a mesma. Conclusão das experiências. Podemos verificar que, num sistema fechado, a massa final do produto da reação é igual a massa inicial das substancias regentes, ou seja, numa reação não ocorre perda nem ganho de matéria. Exemplo de exercício: Duas substancias, uma com 15g de massa e outra com 13g, reagiram entre si num sistema fechado. Da reação surgiram dois produtos: um gasoso, outro sólido. Sabendo-se que o produto sólido tem massa de 10g, calcula a massa do gás que se desprendeu da reação. Resolução: massa dos reagentes massa dos produtos 13g 15g+ 13g= IOg+X IOg+X x – 28g— log x- 182 nog x