Idade média

Introdução Idade Média , Média significa meio , da Antiguidade e da Idade Moderna. A sociedade feudal era dividida em três partes clero: padres, Bispos, e todas as pessoas da igreja. Os nobres: todas as pessoas do reino . Os servos eram as pessoas mais pobres a maioria dos servos eram camponeses que trabalhava para os senhores feudais Os Bárbaros eram aquelas pessoas que moravam ao redor dos senhores Feudais e eram tamb latim. A Igreja Medieval foi católica O surgimento do cris Cristo or3g conseguiam falar em gido dessa igreja era morte de Jesus O clero secular é aquele que é voltado a administração da igreja e clero

Regular é o que obedecia a regras rígidas de comportamento. E assim vai Contando a história de todos os povos, culturas, crenças que viveram neste período. Não perca a oportunidade de estar lendo e conveviciando com a história da Idade Média. do Ocidente caiu nas mãos dos povos bárbaros, e se estendeu até perto das Grandes Navegações, em 1453, quando Constantinopla foi tomada pelos turcos otomanos. Chama-se Média porque foi um periodo intermediário entre a Idade Antiga e a Idade Moderna.

Os humanistas, por volta de 1 500, denominaram a Idade Média de “Idade das Trevas”, considerando que a grande cultura greco- omana havia parado com as invasões bárbaras e só agora com eles, é que de novo ressurgia. Essa denominação é valida apenas para a Idade Média ocidental, quando então houve uma parada no desenvolvimento cultural e artístico e na produção econômica. Nessa época, florescia no Oriente a cultura bizantina. Mais tarde, a Baixa Idade Média, iniciada por volta do ano 1000, foi rica de progressos, inovações e mudanças nas cidades e nos campos e desenvolvimento cultural.

Costuma-se dividir a Idade Média em Alta Idade Média e Baixa Idade Média. Periodização O período da Idade Média foi tradicionalmente delimitado com ?nfase em eventos pollticos. Nesses termos, ter-se-la iniciado com a desintegração do Império Romano do Ocidente, no século V (em 476 d. C), e terminado com o fim do Império Romano do Oriente, com a Queda de Constantinopla, no século XV (em 1453 d. C. ) ou com a descoberta da América (em no desenrolar dos chamados Descobrimentos. A Era Medieval pode também ser subdividida em períodos menores, num dos modos de classificação mais populares, é separada em dois períodos: 1.

Alta Idade Média, que decorre do século V ao X; 2. Baixa Idade Média, que se estende do século XI ao XV. Uma outra classificação muito comum divide a era em três períodos: 1. Idade Média Antiga (ou Alta Id PAGF 39 1. Idade Média Antiga (ou Alta Idade Média ou Antiguidade Tardia) que decorre do século V ao X; 2. Idade Média Plena (ou Idade Média Clássica) que se estende do século XI ao XIII; 3. Idade Média Tardia (ou Baixa Idade Média), correspondente aos séculos XIV e XV. Esse período inicial da história medieval é conhecido como “Primeira Idade Média”, pois é uma fase de transição e de adaptações da Europa.

Periodos históricos “de transição” também podem ser denominados Idade Média, porém o período medieval ? um evento estritamente europeu. O adjetivo relacionado com este período é: medieval (ver, por exemplo, música medieval, arte medieval). Alta Idade Média Império Bizantino Se o Império Romano do Ocidente não brilhava e quase tudo se havia voltado ao primitivismo, por causa das invasões bárbaras, o mesmo não acontecla com o Império Romano do Oriente. A capital do império era Bizâncio, uma cidade que conservou o patrimônio e a língua helenística (grego popular).

Bizâncio, antiga colônia grega, foi por muito tempo a capital do Império Romano do Oriente. No ano de 330, foi melhorada por Constantino e assou a ter o nome de Constantinopla. Essa importantísstima cidade foi capital do império até 1453, quando tomada pelos turcos otomanos, dando inicio aos tempos modernos. Constantinopla, hoje tem o nome de Istambul. Os bizantinos souberam aproveltar a posição geográfica do seu território. De fato, localizava-se na passagem entre a Europa e Ásia. Era um local de encontro de rotas comerciais.

Desenvolvia- se um intenso comércio de peles, especiarias do Extremo Oriente, grãos de trigo, pei Desenvolvia-se um intenso comércio de peles, especiarias do Extremo Oriente, grãos de trigo, peixes, mel, sedas, tapetes e rtigos de muitos outros locais. Essa cidade chegou a ser uma fortaleza, cercada de água pelos três lados e protegida por uma grande muralha do outro lado. Por isso, conseguiu resistir às invasões dos bárbaros, devido à sua posição geográfica e por possuir um forte exército e poderosas frotas. Política bizantina Império Bizantino em 550. As conquistas de Justiniano estão em verde.

O governo era uma monarquia absolutista. O imperador dispunha de poderes absolutos, fazia as leis e tinha também poder religioso. O mais importante dos imperadores bizantinos foi Justiniano (527 a 565). Com ele, grande parte do território do império perdido aos bárbaros no Ocidente foi recuperado. Foi um administrador culto, amigo do trabalho e da justiça. Dividiu com a mulher, a imperatriz Teodora, o seu sucesso. Seu governo foi marcado por lutas sociais: havla muita pobreza contrastando com a riqueza. Os tributos foram aumentados, o povo revoltou-se na chamada Revolta de Nika.

O movimento de revolta foi abafado graças ? intervenção da imperatriz Teodora e do general Belisário. Justiniano foi um homem de grandes conquistas; ampliou o império em direção ao norte da África, península Itálica e enínsula Ibérica. Foi também grande legislador e teólogo. Fez importante obra legis ativa, reuniu e organizou as teses do Direito Romano em uma grande obra chamada Código Justiniano ou Corpus Juris Civilis. O código era formado por cinqüenta livros e foi um trabalho difícil, coordenado pelo legislador Triboniano.

O imperador fez resumir em quatro liv 9 difícil, coordenado pelo legislador Triboniano. O imperador fez resumir em quatro livros todo esse trabalho legislativo, originando o Código, o Digesto, as Institutas e as Novelas. Assim, o vasto corpus juris civilis foi simplificado em quatro partes. A cultura bizantina despontou com novos pensadores e estudiosos cristãos. Justiniano construiu grandes obras públicas, como a famosa Hagia Sofia, e outras tantas arquiteturas. Governou com poderes absolutos, foi considerado o representante de Deus na Terra.

Por isso, usou-se a expressão cesaropapismo, que era a supmíssão e controle da Igreja por parte do imperador. Havia muitas desavenças e desentendimentos religiosos, mas Justiniano queria que a Igreja fosse unificada para poder se aproveitar dela em seu governo. Na época de Justiniano, houve um movimento religioso chamado monofisismo. Os adeptos dessa doutrina diziam que Cristo tinha penas a natureza divina, nao possuindo natureza humana. Com o fim do mandato de Justiniano, ou seja, com sua morte, o povo de Constantinopla ficou feliz, pois estava cansado de altos impostos e tanto autoritarismo.

O imperador havia impedido a venda dos ícones, isto é, as imagens sagradas de Cristo, da Virgem Maria e dos santos. Esta campanha contra as imagens recebeu o nome de campanha iconoclasta. Os sucessores de Justiniano se empenharam em defender o território do Império Romano do Oriente contra os invasores bárbaros, que se desinteressaram do Ocidente. Aparecia, dessa forma, uma longa distância entre o mundo grego e o mundo atino. Depois de Justiniano, a língua grega suplantou a língua latina. Economia e sociedade bizantinas A economia era controlada pelo Estado.

PAGF s 9 língua latina. A economia era controlada pelo Estado. Havia um intenso comércio em Constantinopla, favorecido pela posição geográfica privilegiada. O governo controlava o preço e a qualidade das mercadorias. O imperador detinha o monopólio das minas e controlava a fabricação de armas. No Império Bizantino, o latifúndio ganhou força. Ricos mercadores, especuladores, desonestos funcionarias, grandes proprietários se aproveitaram e se apropriaram das terras dos obres, deixando-os no desespero.

No início do império, os imperadores se opuseram às extensões dos latifúndios, para que não houvesse ricos senhores e grande diferença social, como acontecera no velho Império Romano. Mas as pequenas propriedades em mãos de camponeses não conseguiram se manter. Em Constantinopla, havia também uma classe média, formada por funcionários, comerciantes, artesãos e armadores. Eram numerosos os operários empregados nas imponentes construções e obras públicas. Cultura bizantina Bizâncio, foi o maior centro cultural da cristandade na época.

Milhares de manuscritos foram conservados nas bibliotecas, mostrando-nos a herança cultural e intelectual da Antiguidade bizantina. Os autores gregos e romanos foram para lá buscar dados culturais para passar a seus alunos ou para os estudiosos da cultura bizantina Bizâncio apareceu na Idade Média como a cidade dos educadores. Dois monges bizantinos, São Cirilo e São Metódio, criaram o alfabeto cirnico. Eles também converteram os eslavos ao cristianismo e levaram-lhes esse alfabeto e a cultura bizantin.

A influência cultural bizantina foi tão grande que chegou até o Ocidente, em Roma (Itália) Os bizan nfluência cultural bizantina foi tão grande que chegou até o Os bizantinos eram apaixonados por corridas de carros, puxados por cavalos, realizadas no hipódromo da cidade. Havia dois grupos, os verdes e os azuis. Os políticos participavam ativamente, com a intenção de tirar proveito para seus partidos. A arquitetura deixou traços por todos os lados. Se grandes palácios foram destruídos com guerras e invasões, o mesmo não aconteceu com aquedutos e cisternas, que funcionam até hoje.

O maior testemunho da arquitetura bizantina foi, sem dúvida, a Igreja de Santa Sofia. Nessa época, usou-se pela primeira vez a úpula nas igrejas. Os artistas trabalhavam nessas igrejas com mosaico e marmore. Cisma religioso do Oriente Em 1054 (século XI), houve o grande cisma religioso do Oriente. Foi um movimento religioso, que envolveu também aspectos politicos, porque o Papa apoiava os monges que faziam e vendiam estátuas de santos, mas o imperador era contra, pois temia que esse comércio fortalecesse o poder da Igreja.

Asslm, 1054, com o cisma (divisão), o povo ficou dividido entre a Igreja Católica do Oriente, conhecida como Igreja Ortodoxa . com sede em Bizâncio), e Igreja Católica do Ocidente, com sede em Roma, tendo o papa por chefe e ficando conhecido como Igreja Católica Apostólica Romana O Império Romano do Oriente foi sobrevivendo, mas no ano 1453 foi tomado pelos turcos otomanos. Importância cultural bizantina Os bizantinos deixaram contribuições para o mundo, tais como: • Importantes códigos de leis. ?? Conservaram e difundiram as obras dos grandes autores gregos e romanos da Antiguidade PAGF 7 9 obras dos grandes autores gregos e romanos da Antiguidade clássica. • Obras e estilos de arte. • Criação do alfabeto cirílico e desenvolvmento do comércio marítimo. Expansão islâmica A pen[nsula Arábica é circundada pelo mar Vermelho, pelo oceano índico e pelo golfo Pérsico. É constituída de de desertos e áreas pedregosas e vastas planícies, que só em alguns perlados do ano se cobrem de vegetação verde.

Demográfica e historicamente, a peninsula Arábica, no século IV, era habitada por tribos nômades de beduínos (palavra que, em árabe, signfica ‘habitantes das estepes”). Os beduínos eram de origem semítica, viviam do pastoreio e exerciam um comércio por meio de caravanas, transportando no dorso dos camelos as mercadorias do Oriente até o Mediterrâneo, atravessando o deserto. Na única faixa de terra que costeia o mar Mediterrâneo, surgiram algumas comunidades hebraicas e cristãs, que adoravam um só deus (eram monoteístas).

Mas como outros povos da Antiguidade, a maioria dos habitantes da península Arábica eram politeístas (adoravam vários deuses), e cada tribo tinha o seu ídolo O único culto comum era a adoração da pedra negra, para eles de origem celeste e ficava guardada na Caaba, um santuário na cidade de Meca que acabou se tornando o principal santuário da península. Para melhor estudar a Arábia e seu povo, podemos considerar dois momentos: antes do profeta Maomé (período que hamamos de Arábia pré-lslâmca) e depois de Maomé (periodo da Arábia islâmica).

A Arábia islâmica surgiu em 570, com o nascimento de Maomé, que significa ‘io louvado”. Maomé foi um líder religioso e político que soube unir as tribos e dar a elas uma consciência comum politica PAGF 8 9 um líder religioso e político que soube unir as tribos e dar a elas uma consciência comum politica e religiosa. De origem humilde, Maomé, quando jovem, foi caravaneiro e, entre as suas frequentes viagens de um ponto a outro da península, conheceu e entrou em contato com hebreus e cristãos e com os príncipios religiosos de varias religiões.

Segundo contam, aos 40 anos Maomé teve uma visão e em seguida proclamou-se o profeta de Deus, isto é, apresentou-se como o homem que trazia a verdade ao povo Maomé começou logo a pregar contra os falsos ídolos, dizendo que só existia um Deus, Alá, que era o único salvador e quem não acreditasse nessas verdades seria queimado nos infernos, mas aqueles que acreditasem em Alá seriam conduzidos ao paraíso. Maomé ensinava que Deus havia mandado, vários profetas, como Abraão, Moisés, Jesus Cristo e, por último, ele próprio, pregar como os outros profetas, a existência de um só Deus, Alá.

Em Meca, Maomé encontrou forte oposição dos sacerdotes ligados aos cultos pagãos e, no ano de 622, teve que fugir de Meca para Medina, devido a perseguições. A este fato dá-se o nome de Hégira (em árabe “fuga”). Maomé organizou uma forte comunidade, protegida e militarmente, formada por tribos ligadas por laços de parentesco e religião. No ano de 532, Maomé conseguiu retornar a Meca onde foi triunfalmente recebido. A religião fundada por Maomé foi o islamismo, seguida por seus discípulos e escrita no Corão, o livro sagrado dos muçulmanos. O Corão prescreve o completo abandono do homem a Deus.

A palavra islamismo vem da palavra árabe is-lam, que significa abandono e submlssão a Deus O Islamismo é também islamismo vem da palavra árabe is-lam, que significa abandono e submissão a Deus O islamismo é também chamado de religião muçulmana. No Corão estão as verdades sagradas que os fiéis devem seguir, e uma das suas mais importantes prescrições é a participação na Guerra Santa, feita contra os infiéis, para difundir a fé islâmica e converter os pagãos à crença em um só deus, que é Alá. Assim, os árabes não se importavam de morrer nas batalhas, pois tinham a certeza de ganhar com isso o paraíso.

Nas suas conquistas, os árabes se mostraram tolerantes com os vencidos e se limitaram a fazê-los pagar um tributo foi assim com os hebreus e os cristãos, que puderam continuar professando suas religiões. Os muçulmanos devem seguir rigidamente as normas do Corão e se submeter a uma única autoridade com poderes religiosos, civis, políticos e militares. As igrejas muçulmanas são abertas aos fiéis e o sacerdote (muezin) faz a interpretação das normas do Co rão. Os cinco pilares do Islã Um muçulmano deve obedecer a cinco preceitos religiosos fundamentais, que são as bases da religião islâmica: .

Ter fé. Crer em um só deus, que é Alá. 2. Oração. Rezar cinco vezes ao dia, com o rosto voltado para Meca, a cidade sagrada. 3. Jejum. Fazer jejum uma vez por ano, no mês do Ramadã. 4. Peregrinação. Ir a Meca pelo menos uma vez na vida. 5. Esmola. Os fiéis têm dever de dar esmolas para fins humanitários e assistenciais. Há, ainda, fortes proibições, como evitar bebidas alcoólicas e não comer carne de porco. Os muçulmanos aceitam a poligamia (ter mais de uma esposa) e acreditam no fatalismo, isto é, o destino das pessoas já está traçado. As conquistas árabes Depois da